Indico o livro Francisco de Assis, de Jacques Le Goff, Record, Rio de Janeiro, 2007. O autor, consagrado historiador e medievalista, foi presidente da célebre Escola de Altos Estudos de Ciências Sociais, na França. Como todo bom estudioso e pesquisador do período medieval, Jacques Le Goff, não deixa de interessar-se por São Francisco de Assis. Ele mostra Francisco como personagem histórico, leigo e religioso, que sacudiu a religião, a civilização e a sociedade de então. Nas cidades em pleno desenvolvimento, nas estradas, nos solitários retiros em cavernas e florestas, com a nova prática da pobreza, da humildade e da palavra. Indo por um caminho, às vezes diferente da eclesiologia da época, mas sem cair na heresia. Francisco desempenhou um papel decisivo no impulso de novas ordens mendicantes, difundindo um apostolado voltado para a nova sociedade cristã, e enriqueceu a espiritualidade com uma dimensão ecológica que fez dele o criador de um sentimento medieval da natureza expresso na religião, na literatura e na arte.
Jacques Le Goff, nesta obra, destaca Francisco como modelo de um novo tipo de santidade centrado sobre Cristo, a ponto de se identificar com ele como o primeiro homem a receber os estigmas. Foi um dos personagens mais importantes de seu tempo e, até hoje, da história medieval. Um santo sempre moderno. Ecologista na sua fascinação pela natureza, anticonsumista na radical opção pela simplicidade, defensor da liberdade de espírito, da alegria, da vida comunitária, do feminino, uma história total que sempre abalou as estruturas do poder. Em Francisco de Assis, a vida e as virtudes são o essencial. Em vida e depois da morte, este santo, seduziu e contribuiu muito para impor um modelo de santidade em que a imitação cristológica tem grande parte e em que predominam a humildade, a pobreza e a simplicidade.

FREI VITÓRIO MAZZUCO

Anúncios